Imprimir

Estudante do Campus Santos Dumont conquista terceira medalha da OBMEP

Versão para impressãoEnviar para e-mailVersão em PDF

Criada em 2005 para estimular o estudo de uma das disciplinas mais complexas e importantes da Educação, a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) reconhece anualmente, por meio de medalhas e menções honrosas, os melhores desempenhos de seus participantes. Da sexta série do Ensino Fundamental ao último ano do Ensino Médio, são três níveis dedicados a estudantes de instituições municipais, estaduais e federais. Os medalhistas ainda têm a oportunidade de participar de um programa de iniciação científica no ano seguinte. A edição de 2016, realizada entre junho e novembro, é a terceira em que o nome do aluno Dener Ribeiro Maurício, do segundo ano do curso técnico em Mecânica integrado ao Ensino Médio do Campus Santos Dumont, aparece neste seleto grupo.

Dener Ribeiro e professor Marcony MeneguelliMedalhista de bronze no Nível 3 (dedicado ao Ensino Médio) da 12ª OBMEP, Dener foi um dos 58 estudantes dos diversos campi do IF Sudeste MG que obtiveram alguma premiação. O aluno de Santos Dumont participou de quatro edições e teve seu ótimo desempenho reconhecido em todas elas: além do bronze em 2013, 2014 e 2016, ele recebeu menção honrosa no ano passado. Em entrevista ao site do campus, quando questionado sobre a melhor metodologia para o estudo da Matemática, o estudante de Mecânica valorizou a prática.
 
“Exercício, exercício, prática… À medida que vai praticando, você vai melhorando seu potencial e desenvolvendo novas técnicas e raciocínios”, comentou Dener, acrescentando que sempre gostou da disciplina. “Ser medalhista da OBMEP é muito difícil”, destacou o professor de Matemática do IF Marcony Meneguelli (na foto, ao lado de Dener), “e realmente o Dener tem um desempenho bem acima da média. A aptidão natural que ele tem para a disciplina facilita o gosto pela área. E uma coisa alimenta a outra: ele tem a facilidade de compreender e, quando ele compreende, ele passa a gostar mais. Por gostar mais, ele quer ver mais e aprende. Esse ciclo vai sendo alimentado. Obter quatro condecorações consecutivas é algo muito relevante”.
 
Para o professor, a assimilação do conteúdo na Matemática está ligada muito mais ao entendimento do processo do que à memorização de fórmulas, por exemplo. “O primeiro ponto é tentar mostrar ao aluno o porquê daqueles resultados (em exercícios de Matemática), de onde eles vêm. Quando você indica o caminho para chegar a uma determinada expressão matemática, está gerando uma possibilidade de maior fixação (do conteúdo) por parte do aluno. Outro ponto é a prática: quando você sai da teoria e estabelece aplicações, começa até a automatizar alguns resultados. Quanto mais ferramentas o estudante tem, mais preparado ele está para fazer uma avaliação, especialmente quando ela trata de assuntos diversos, como é o caso da OBMEP”, concluiu. Em 2016, mais de 17 milhões de estudantes participaram da Olimpíada.
 
 
 
 
 
 
 
Assessoria de Comunicação
Campus Santos Dumont
21/12/2016