Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Juiz de Fora > Servidora propõe alternativas ao modelo de custeio do Restaurante Estudantil
conteúdo

Pesquisa

Servidora propõe alternativas ao modelo de custeio do Restaurante Estudantil

publicado: 13/11/2019 12h32, última modificação: 19/11/2019 10h48
Letícia de Souza Scotelano atua na Coordenação de Assistência Estudantil e elaborou este trabalho durante seu mestrado em Administração Pública na UFJF.

“Alternativas para o gerenciamento da transição do modelo de custeio do Restaurante Estudantil do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais - Campus Juiz de Fora”. Este é o título da dissertação defendida pela servidora Letícia de Souza Scotelano na Pós-Graduação em Administração Pública da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). No trabalho, ela faz uma análise do Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes) e propõe formas de fazer com que mais estudantes sejam contemplados com os recursos. 

Lotada na coordenadoria de Assistência Estudantil, Letícia observou que o orçamento do Pnaes, que tem como um de seus objetivos garantir a permanência de estudantes de baixa renda nas instituições federais de ensino, é insuficiente para abranger toda a demanda. Segundo ela, isso acontece porque grande parte dos recursos é utilizada para subsidiar as refeições fornecidas pelo Restaurante Estudantil do Campus, que atende aos alunos de forma universal, sem necessitar de comprovação do subsídio por parte da instituição.

A questão levantada na dissertação foi a de saber quais os aspectos a serem observados no gerenciamento de uma possível transição do modelo de custeio do Restaurante, sem que fosse preciso utilizar os recursos do PNAES. A pesquisa envolveu duas fases: na primeira, foram feitas entrevistas com estudantes que recebem a bolsa de apoio estudantil; com discentes que não recebem tal auxílio; com a diretora de Extensão e Relações Comunitárias do Campus Juiz de Fora, Raquel Fernandes; e o pró-reitor de assuntos estudantis da Universidade Federal do Rio Grande Norte (UFRN), Edmilson Lopes Júnior, instituição na qual somente os alunos carentes têm o desconto na refeição. 

Já na segunda fase, foram aplicados 180 questionários entre os usuários do restaurante estudantil, com o objetivo de avaliar a qualidade do serviço prestado e a satisfação do serviço, para verificar os motivos que os levam a fazer refeições no local e a opinião dos mesmos sobre o modelo de financiamento.

A partir do cruzamento de todos os dados levantados, Letícia verificou que existe um prejuízo causado pela estimativa da demanda por refeições, desconhecimento por parte dos usuários em relação ao PNAES e uma diminuição da demanda por refeições diante da possibilidade de aumento de preço. Ela propôs, então, um aumento gradual do valor do ticket do restaurante estudantil, de forma que o impacto deste aumento para os estudantes seja menor e, com isso, o valor destinado para custear bolsas de assistência estudantil seja maior, contemplando todos que realmente necessitam.

 

registrado em: