Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Juiz de Fora > Professores de História doam livros para bibliotecas comunitárias de Juiz de Fora
conteúdo

Geral

Professores de História doam livros para bibliotecas comunitárias de Juiz de Fora

publicado: 02/07/2021 10h06, última modificação: 05/07/2021 15h16
Luís Eduardo Oliveira e Jefferson de Almeida Pinto, ambos do núcleo de História, doaram obras acadêmicas desenvolvidas por eles, sobre temas da história de Juiz de Fora, para o projeto Cinturão Cultural.

Os professores Luís Eduardo Oliveira e Jefferson de Almeida Pinto, ambos do Núcleo de História do Campus Juiz de Fora, contribuíram com o projeto Cinturão Cultural, desenvolvido pelo Instituto Müller Hill do Brasil (IMHB) em parceria com o Grupo de Atividade Assistencial e Cultural de Juiz de Fora (GAAC), para abastecer 12 bibliotecas de bairros de Juiz de Fora. Os docentes doaram, cada um, 36 exemplares de obras acadêmicas desenvolvidas por eles, sobre temas relevantes da historiografia da cidade.

De acordo com o presidente do IMHB, Alexandre Müller Hill Maestrini, o projeto visa reunir esforços para a captação de recursos junto aos órgãos do Poder Público e iniciativa privada a serem aplicados nos projetos do GAAC voltados para o fomento e a valorização da historiografia negra e de cor no município de Juiz de Fora. “A importância dos negros no desenvolvimento do município sempre foi negada. Esse nosso movimento é um primeiro passo para proporcionar cultura através da leitura nos tradicionais bairros desprivilegiados, em sua maioria de população afrodescendente”, explica. 

A obra doada pelo professor Jefferson foi a própria dissertação de mestrado, “Controle Social e Pobreza - Juiz de Fora (c.1876-c.1922)”, onde analisa o processo de controle social da pobreza empreendido na passagem à modernidade. A pesquisa parte de alguns elementos que compõem o cenário contemporâneo em relação à ação do Estado sobre os pobres infratores e se deparou com o problema histórico que conduziu as observações: perceber até que ponto houve rupturas definitivas ou não em relação ao controle social exercido na sociedade escravista e o que então passou a ser exercido pelo Estado republicano no período em questão.

O professor Luís Eduardo contribuiu com o projeto com o seu livro "Os trabalhadores e a cidade: a formação do proletariado de Juiz de Fora e suas lutas por direitos (1877-1920)". Nessa obra, ele analisa a formação do mercado de mão-de-obra urbana na transição da ordem escravocrata e imperial para o regime republicano, demonstrando como em tal contexto trabalhadores e trabalhadoras de múltiplas origens étnicas e nacionais compuseram, gradativamente, um proletariado numeroso e submetido a rígidas relações sociais de trabalho. “Por outro lado, procurei identificar e realçar os sentidos políticos e as repercussões na opinião pública alcançadas pelos movimentos por direitos sociais básicos empreendidos por esses trabalhadores e trabalhadoras nas primeiras duas décadas do século XX - período em que nossa cidade era conhecida como a ‘Manchester Mineira’, tendo em vista a dimensão de sua produção industrial, sobretudo no setor de fiação e tecelagem”, explica.

Para conhecer mais sobre o projeto Cinturão Cultural, visite o site do Instituto Müller Hill do Brasil.

 

registrado em: